Mobile Menu
Categories

LIBERTAS

Arquitectura e Pólis | O Meu Corpo é o Meu Jardim
LIBERTAS
Luís Seixas e Nuno Vasconcelos
Local
Mercado 2 de Maio - 6 de Julho a 10 de Setembro

“Libertas” – palavra do latim, uma das “sementes” da palavra liberdade. Significa a independência do ser humano e a liberdade de movimento (quer física quer intelectual) do indivíduo. 

Libertas é parte integrante do projecto O Meu Corpo é o meu Jardim. Uma peça de arquitectura efémera que resulta na criação de um jardim alimentar biológico. A organização em forma de mini-anfiteatro com uma distribuição concêntrica (inspirada num jardim mandala) tem como objectivo criar um espaço de utilização livre e flexível que estará ao dispor da população.

A programação deste espaço é feita pela comunidade. Qualquer pessoa ou grupo pode “okupar” o espaço de forma livre como espaço de lazer ou com actividades, ideias, pensamentos, canções. Funciona assim como um speech corner promovendo a liberdade de expressão e a partilha de intenções.

A plantação deste jardim que conta com mais de 1000 hortícolas criadas de forma biológica, surge na sequência das actividades educativas desenvolvidas ao longo de vários meses com as escolas da pré-primária e 1º ciclo de Viseu. Estas plantas foram transplantadas para o local, pelas crianças de 36 turmas no decorrer de vários workshops ao longo de 2 dias. No final do festival esta intervenção será desmantelada e repartida pelas diferentes escolas, possibilitando a criação de um novo ciclo de produção alimentar, contribuindo para a continuidade do projecto O Meu Corpo é o meu Jardim.

 

Apoios

Agrupamento de Escolas Grão Vasco de Viseu

Bio Cultura São Miguel (Elisabete Gonçalves, produção de alimentos biológica)

Câmara Municipal de Vouzela

Cristina Amaro da Costa

FIAN Portugal

Mirtilafões, Unipessoal, Lda

Nutrofértil, Lda

PlantAveiro – Viveiro de Plantas Hortícolas, Lda.

 

Montagem

Carpintaria de Apolino Jesus Dias

Armando & Gonçalves, Lda

Matos & Marques, Lda

Tiago Carvalho

 

Luís Seixas nasce em Viseu em 1975. Licencia-se em Arquitectura em 1999 e em 2000 conclui uma Pós-Graduação em Design Urbano pelo Centro Português de Design em colaboração com a Universidade de Barcelona e com o Barcelona Centre Disseny. Entre 2000 e 2002 colabora com a Light Motif – Arquitectura, Iluminação Urbana e Ambiental e é Coordenador Geral do Evento Cultural e Transdisciplinar Lisboa Capital do Nada em 2001. Em 2009 é colaborador externo do projecto PLAC — Plano de Luz e Arte Contemporânea do Campus da Caparica da Universidade Nova de Lisboa. Em 2013, em defesa pela não demolição do Bairro Municipal de Viseu, integra o Movimento de cidadãos «O/Bairro». Com várias participações nos Jardins Efémeros sob o Colectivo L2P1, em 2014,  participa nos JE como autor da obra «Quando a praça se transforma em sala de estar» e como coordenador geral da intervenção na Praça D. Duarte. Desde 2002 que exerce em Viseu a sua actividade profissional de arquitecto.

Nuno Vasconcelos nasceu em Viseu em 1979. Após licenciar-se em Arquitectura pela Universidade de Coimbra, muda-se para o Porto onde colabora com diferentes ateliers de arquitectura. Desde 2012 vive maioritariamente em Berlim, continuando a actividade como arquitecto freelancer e desenvolvendo a sua investigação pessoal sobre construção em terra, em especial a taipa, através de várias experiências práticas. Tem trabalhado com equipas multidisciplinares em diferentes áreas, contextos e países, tendo especial interesse por projectos de ordem social e comunitária.