MENU

MUD

Arquitectura > Construção em Taipa
Nuno Vasconcelos | Joana Marques | Cole©tivo L2P1 (2015)
MUD PHOTO
Local
Casa do Miradouro, Jardim I (Junto ao Largo António José Pereira)
Mecenas
Instituto Politécnico de Viseu

Partindo de um material 100% natural – a terra – e de um sistema tradicional de construção – a taipa -, pretendemos divulgar e desmistificar este modo de construir, através do uso de uma linguagem contemporânea e da sua livre experimentação. Para tal,  aliamos a tradição à modernidade e exploramos as potencialidades plásticas e construtivas deste material tão acessível e sustentável, que é muitas vezes desconhecido e,  por preconceito, marginalizado e visto como símbolo de pobreza. Propomos construir um objecto efémero e experimental,  abstracto, de formas geométricas simples que contrastam com a organicidade do material.  Os jogos de luz/sombra que penetram na peça através dos seus momentos de cheio/vazio ajudam a evidenciar as superfícies, a realçar as texturas criadas pela terra e apelam à apropriação por parte do público, em especial as crianças.  Durante o evento, com orientação dos autores, serão realizadas oficinas dirigidas a crianças dos 4 aos 8 anos.

DIMENSÃO

2,1×2,1m

TÉCNICA

Taipa

APOIO

Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT), Universidade Nova de Lisboa.

CONSTRUÇÃO E MONTAGEM

Betão e Taipa, construção e recuperação de edifícios, Lda. | Carpintaria Apolino Jesus Dias, Lda. | Toifebau, terraplanagens e aluguer de máquinas/camiões, Lda. | Construtora Chão Pinheiro | Graciano dos Santos Loureiro, Lda.

Nuno Vasconcelos

Nasceu em Viseu em 1979. Licencia-se em Arquitectura em 2005, na Universidade de Coimbra e, desde então, exerce a sua actividade como arquitecto, tendo também colaborado com diferentes escritórios de arquitectura no Porto. Entre 2007 e 2010 é responsável pelo acompanhamento de obra e coordenação de projectos da parceria entre os arquitectos Eduardo Souto Moura e a arquitecta Graça Correia para a requalificação dos espaços da antiga fábrica Robinson de Portalegre. Reside em Berlim desde 2012, desenvolvendo a sua actividade na área de construção com terra e elementos naturais.

Joana Marques

Nasceu no Porto em 1982. Licenciou-se em Arquitectura em 2006 na Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto. Colaborou com vários escritórios de arquitectura no Porto. Em 2009, esteve cerca de meio ano a trabalhar na Índia, onde teve a sua primeira aproximação à construção em terra crua. Desde então, mantém o seu interesse pelo tema através de pesquisa e acções de formação, tendo apresentado recentemente, no 40º IAHS (Congresso Mundial de Habitação), o artigo “O uso contemporâneo da taipa em Portugal. O caso do litoral alentejano”.

Cole(c)tivo L2P1 

Luís Seixas

Nasceu em Viseu em 1975. Licenciou-se em Arquitectura em 1999 e em 2000 concluiu uma pós-graduação em Design Urbano pelo Centro Português de Design em colaboração com a Universidade de Barcelona e com o Barcelona Centre Disseny. Entre 2000 e 2002 colaborou com a Light Motif – Arquitectura, Iluminação Urbana e Ambiental. Foi coordenador geral do evento cultural e transdisciplinar “Lisboa Capital do Nada” em 2001. Em 2009 é convidado para ser colaborador externo do projecto PLAC – Plano de Luz e Arte Contemporânea do Campus da Caparica da Universidade Nova de Lisboa. Elemento do movimento de cidadãos “O Bairro”. Exerce desde 2002, em Viseu, a sua actividade profissional de arquitecto. Em 2014, participa nos Jardins Efémeros como autor da obra “Quando a praça se transforma em sala de estar” e como coordenador geral da intervenção dos Jardins Efémeros na Praça D. Duarte.

Tiago Lopes

Nasceu em Lisboa em 1977. Vive em Viseu desde 1996. Em 2003 licenciou-se em “Professores do Ensino Básico e 2º Ciclo”, variante Educação Visual e Tecnológica na Escola Superior de Educação de Viseu. Entre 2002 e 2006 frequentou o atelier do pintor Luís Calheiros. Prémio Anim’arte 2002, Produção Artística – Pintura.

MUD PHOTO

Partindo de um material 100% natural – a terra – e de um sistema tradicional de construção – a taipa -, pretendemos divulgar e desmistificar este modo de construir, através do uso de uma linguagem contemporânea e da sua livre experimentação. Para tal,  aliamos a tradição à modernidade e exploramos as potencialidades plásticas e construtivas deste material tão acessível e sustentável, que é muitas vezes desconhecido e,  por preconceito, marginalizado e visto como símbolo de pobreza. Propomos construir um objecto efémero e experimental,  abstracto, de formas geométricas simples que contrastam com a organicidade do material.  Os jogos de luz/sombra que penetram na peça através dos seus momentos de cheio/vazio ajudam a evidenciar as superfícies, a realçar as texturas criadas pela terra e apelam à apropriação por parte do público, em especial as crianças.  Durante o evento, com orientação dos autores, serão realizadas oficinas dirigidas a crianças dos 4 aos 8 anos.

DIMENSÃO

2,1×2,1m

TÉCNICA

Taipa

APOIO

Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT), Universidade Nova de Lisboa.

CONSTRUÇÃO E MONTAGEM

Betão e Taipa, construção e recuperação de edifícios, Lda. | Carpintaria Apolino Jesus Dias, Lda. | Toifebau, terraplanagens e aluguer de máquinas/camiões, Lda. | Construtora Chão Pinheiro | Graciano dos Santos Loureiro, Lda.

Nuno Vasconcelos

Nasceu em Viseu em 1979. Licencia-se em Arquitectura em 2005, na Universidade de Coimbra e, desde então, exerce a sua actividade como arquitecto, tendo também colaborado com diferentes escritórios de arquitectura no Porto. Entre 2007 e 2010 é responsável pelo acompanhamento de obra e coordenação de projectos da parceria entre os arquitectos Eduardo Souto Moura e a arquitecta Graça Correia para a requalificação dos espaços da antiga fábrica Robinson de Portalegre. Reside em Berlim desde 2012, desenvolvendo a sua actividade na área de construção com terra e elementos naturais.

Joana Marques

Nasceu no Porto em 1982. Licenciou-se em Arquitectura em 2006 na Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto. Colaborou com vários escritórios de arquitectura no Porto. Em 2009, esteve cerca de meio ano a trabalhar na Índia, onde teve a sua primeira aproximação à construção em terra crua. Desde então, mantém o seu interesse pelo tema através de pesquisa e acções de formação, tendo apresentado recentemente, no 40º IAHS (Congresso Mundial de Habitação), o artigo “O uso contemporâneo da taipa em Portugal. O caso do litoral alentejano”.

Cole(c)tivo L2P1 

Luís Seixas

Nasceu em Viseu em 1975. Licenciou-se em Arquitectura em 1999 e em 2000 concluiu uma pós-graduação em Design Urbano pelo Centro Português de Design em colaboração com a Universidade de Barcelona e com o Barcelona Centre Disseny. Entre 2000 e 2002 colaborou com a Light Motif – Arquitectura, Iluminação Urbana e Ambiental. Foi coordenador geral do evento cultural e transdisciplinar “Lisboa Capital do Nada” em 2001. Em 2009 é convidado para ser colaborador externo do projecto PLAC – Plano de Luz e Arte Contemporânea do Campus da Caparica da Universidade Nova de Lisboa. Elemento do movimento de cidadãos “O Bairro”. Exerce desde 2002, em Viseu, a sua actividade profissional de arquitecto. Em 2014, participa nos Jardins Efémeros como autor da obra “Quando a praça se transforma em sala de estar” e como coordenador geral da intervenção dos Jardins Efémeros na Praça D. Duarte.

Tiago Lopes

Nasceu em Lisboa em 1977. Vive em Viseu desde 1996. Em 2003 licenciou-se em “Professores do Ensino Básico e 2º Ciclo”, variante Educação Visual e Tecnológica na Escola Superior de Educação de Viseu. Entre 2002 e 2006 frequentou o atelier do pintor Luís Calheiros. Prémio Anim’arte 2002, Produção Artística – Pintura.