MENU

Homo/HystericalOneManOrchestra (PT)

Som > Concerto
foto_por_paulo_t_silva2
Local
Museu Nacional Grão Vasco (Claustro Maior)
Horário
5 Julho > 17h30
Duração
45’ aprox.

Projecto a solo de Filipe Silva, músico, formador e investigador influenciado pela ideia de criação de realidades pessoais, tal como proposta por figuras como Jorge Luís Borges, Santa Hildegarda de Bingen e Sun Ra. O seu trabalho prende-se fundamentalmente com a relação entre o som enquanto fenómeno físico, o espaço em que este ocorre e o papel da gestualidade humana na sua produção e configuração. É também uma questão central da sua actividade a investigação do papel da percepção do ouvinte como determinante do resultado final de uma peça sonora.

O trabalho “Second Day of the Icon”, especificamente desenvolvido para os Jardins Efémeros’15, manipula sons acústicos e eléctricos na sua componente espacial e temporal, através de variações no posicionamento das fontes sonoras e do público, e da relação entre sons produzidos em tempo real e o processamento dos seus registos.

Utilizando fontes sonoras que vão desde o eléctrico, como em “Krýndur Aether Himna” e “As Above, So Below”, peças para um circuito fechado de microfone e amplificador em “feedback”, até ao acústico, como em “Stone Flesh Stone Space”, para pedras, mãos e espaço reverberante, as suas performances centram-se na manipulação de sons em tempo real pela exploração da sua componente espacial, entendendo-se essa componente tanto a um nível macrocósmico (o espaço da sala em que o som é produzido) como microcósmico (espaços do próprio corpo do intérprete, como a sua boca e mãos, considerados como “pequenas salas de dimensão variável”).

Assim, as apresentações ao vivo de HystericalOneManOrchestra abordam de uma forma holística a noção de “instrumento”, que é reconfigurado para incluir não apenas os elementos ou mecanismos produtores de som, mas também o corpo do performer e o espaço físico-acústico de acção, da mesma forma que uma guitarra é constituída não apenas pelas suas cordas, mas também pela caixa de ressonância e outros componentes.

Filipe Silva

Músico  multi-instrumentista  cujo  trabalho  se  foca  particularmente  na  exploração  do impacto  do  som  nos  mecanismos humanos  de  percepção do  tempo  e  espaço,  com especial interesse no uso da música em contextos culturais tradicionais e religiosos como veículo de alteração da consciência. Mantém, com Jonathan Uliel Saldanha, o colectivo de criação, investigação e publicação SOOPA. Trabalha regularmente com diversos músicos e artistas visuais nacionais e  internacionais;  com  o  seu  projecto  a  solo,  HOMO/HystericalOneManOrchestra,  tem realizado numerosos concertos/performances sonoras e edições áudio. Foi autor/co-autor da componente sonora das instalações intermédia “HOTAL” (Casa da Imagem, 2013), “Flor na Pele” (Centro de Artes José de Guimarães, 2013), “Rainforest” (Realização colectiva da peça sonora/instalação de David Tudor, Casa de Serralves, 2014) e “Shattered Moon Fortune” (Maus Hábitos, 2015). Paralelamente, exerce actividades pedagógicas nas áreas da consciencialização sonora e da análise de culturas musicais tradicionais.

+ Info

http://soopa.org/artist/homo-hysterical-one-man-orchestra/
http://soopa.org/page/about/
https://andromedagenciamento.wordpress.com/homo/

Discografia seleccionada |

“The Light Of The Shore Reversed” (MuteAnt Sounds, 2013)
“Extract Of Trinity” compilação “Carnaval De Natal” (Lovers & Lollypops, 2014)
“Eight Thirds Or Approximately Two Six Six Six”, na compilação “From Ritual To Romance” (DEV/EdP, 2015)

“Music For Listener” (Marvellous Tone, Cassette, 2015)

“Five Wheels Balanced On The Milky Seaway” (SOOPA, CD, 2015)

foto_por_paulo_t_silva2

Projecto a solo de Filipe Silva, músico, formador e investigador influenciado pela ideia de criação de realidades pessoais, tal como proposta por figuras como Jorge Luís Borges, Santa Hildegarda de Bingen e Sun Ra. O seu trabalho prende-se fundamentalmente com a relação entre o som enquanto fenómeno físico, o espaço em que este ocorre e o papel da gestualidade humana na sua produção e configuração. É também uma questão central da sua actividade a investigação do papel da percepção do ouvinte como determinante do resultado final de uma peça sonora.

O trabalho “Second Day of the Icon”, especificamente desenvolvido para os Jardins Efémeros’15, manipula sons acústicos e eléctricos na sua componente espacial e temporal, através de variações no posicionamento das fontes sonoras e do público, e da relação entre sons produzidos em tempo real e o processamento dos seus registos.

Utilizando fontes sonoras que vão desde o eléctrico, como em “Krýndur Aether Himna” e “As Above, So Below”, peças para um circuito fechado de microfone e amplificador em “feedback”, até ao acústico, como em “Stone Flesh Stone Space”, para pedras, mãos e espaço reverberante, as suas performances centram-se na manipulação de sons em tempo real pela exploração da sua componente espacial, entendendo-se essa componente tanto a um nível macrocósmico (o espaço da sala em que o som é produzido) como microcósmico (espaços do próprio corpo do intérprete, como a sua boca e mãos, considerados como “pequenas salas de dimensão variável”).

Assim, as apresentações ao vivo de HystericalOneManOrchestra abordam de uma forma holística a noção de “instrumento”, que é reconfigurado para incluir não apenas os elementos ou mecanismos produtores de som, mas também o corpo do performer e o espaço físico-acústico de acção, da mesma forma que uma guitarra é constituída não apenas pelas suas cordas, mas também pela caixa de ressonância e outros componentes.

Filipe Silva

Músico  multi-instrumentista  cujo  trabalho  se  foca  particularmente  na  exploração  do impacto  do  som  nos  mecanismos humanos  de  percepção do  tempo  e  espaço,  com especial interesse no uso da música em contextos culturais tradicionais e religiosos como veículo de alteração da consciência. Mantém, com Jonathan Uliel Saldanha, o colectivo de criação, investigação e publicação SOOPA. Trabalha regularmente com diversos músicos e artistas visuais nacionais e  internacionais;  com  o  seu  projecto  a  solo,  HOMO/HystericalOneManOrchestra,  tem realizado numerosos concertos/performances sonoras e edições áudio. Foi autor/co-autor da componente sonora das instalações intermédia “HOTAL” (Casa da Imagem, 2013), “Flor na Pele” (Centro de Artes José de Guimarães, 2013), “Rainforest” (Realização colectiva da peça sonora/instalação de David Tudor, Casa de Serralves, 2014) e “Shattered Moon Fortune” (Maus Hábitos, 2015). Paralelamente, exerce actividades pedagógicas nas áreas da consciencialização sonora e da análise de culturas musicais tradicionais.

+ Info

http://soopa.org/artist/homo-hysterical-one-man-orchestra/
http://soopa.org/page/about/
https://andromedagenciamento.wordpress.com/homo/

Discografia seleccionada |

“The Light Of The Shore Reversed” (MuteAnt Sounds, 2013)
“Extract Of Trinity” compilação “Carnaval De Natal” (Lovers & Lollypops, 2014)
“Eight Thirds Or Approximately Two Six Six Six”, na compilação “From Ritual To Romance” (DEV/EdP, 2015)

“Music For Listener” (Marvellous Tone, Cassette, 2015)

“Five Wheels Balanced On The Milky Seaway” (SOOPA, CD, 2015)